Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

Especialistas avaliam como valores do etanol e da gasolina podem se comportar nos próximos meses

O TEMPO – Habitualmente, era o preço internacional do barril de petróleo o que guiava as altas e baixas do valor da gasolina. Mas as movimentações no primeiro semestre de 2023 justificam-se, principalmente, pelas idas e vindas de impostos. O consumidor assistiu ao retorno dos impostos federais, à nova padronização do ICMS da gasolina e, recentemente, ao aumento da alíquota do imposto estadual sobre o etanol. Agora que não há previsão para outras mudanças na seara da tributação, o que o motorista pode esperar do preço nos postos de combustíveis nos próximos meses?

“Os preços ficarão mais suscetíveis aos fundamentos que norteiam o mercado de petróleo e derivados. Estamos vivendo um momento misto, ora de movimentos de alta e ora de baixa”, introduz o sócio da Raion Consultoria Eduardo Melo, especialista no mercado de combustíveis. A Petrobras anunciou, em maio, o fim de sua política de Preço de Paridade de Importação (PPI), que vigorava desde maio e condicionava a variação do preço da gasolina no Brasil aos valores internacionais. Hoje, os preços do exterior não são o principal norteador das decisões da empresa, contudo eles ainda são um fator para o cálculo.

Com isso, Melo lista alguns fatores de pressão de alta sobre a gasolina. Um deles é a nova diminuição da oferta de petróleo pela Arábia Saudita e a Rússia, anunciada nesta semana, o que tende a elevar preços internacionalmente. Por outro lado, ele lembra que o dólar tem diminuído no Brasil, o que pode atenuar os aumentos do barril do petróleo. “Um cenário de redução pode ocorrer, mas estamos em um cenário misto, por haver fatores que podem influenciar a alta de preço”, pontua.

O diretor comercial da Valêncio Consultoria Combustíveis, Murilo Genari Barco, concorda com o colega. “Mesmo sem a questão dos impostos, existem fatores que podem fazer a gasolina oscilar. O cenário não é tão previsível quanto era com o PPI”, diz.

A empresa anunciou, no dia 1º de julho, uma nova redução do preço da gasolina — segundo as consultorias de mercado, isso pode significar queda de R$ 0,10 na bomba dos postos, se ela for integralmente repassada ao consumidor. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, havia dito em maio que poderia haver reduções quando os tributos federais retornassem integralmente, o que ocorreu na quinta-feira (29/06).

Já o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, declarou, em sua conta no Twitter, que o objetivo da última redução não era compensar o retorno de tributos. “Estamos tão somente acompanhando o mercado, mas, como prometido, sem o automatismo da estratégia anterior, reconhecendo que a contenção de volatilidade é um benefício que se convém apresentar à sociedade em geral”, escreveu.

Etanol tende a ficar mais competitivo nos próximos meses

O etanol acaba de passar por mais uma mudança tributária. A alíquota do ICMS em Minas foi reajustada, no início deste mês, de 9,29% para 11,63%, o que pode representar um aumento de cerca de R$ 0,09 no litro do combustível, se toda a alta chegar até a bomba.

O presidente da Associação da Indústria Sucroenergética de Minas Gerais (Siamig), Mário Campos, explica que o reajuste da alíquota ocorreu para manter a paridade de impostos entre o álcool e a gasolina. O ICMS da gasolina no Estado aumentou neste ano devido à padronização do imposto em todo o Brasil em junho, definida pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

Mesmo com a possibilidade desse aumento no curto prazo, Campos avalia que o etanol deve se tornar mais competitivo nos próximos meses, pois a safra de cana em Minas está superando a anterior. “É uma safra grande, em que temos muita matéria-prima no campo. Esse etanol precisa ser consumido e ele provavelmente disputará espaço com a gasolina”, sublinha o presidente da entidade.

Além da safra, os movimentos da Petrobras sobre o preço da gasolina podem interferir no valor do etanol, lembra ele. “O que podemos ter, nas próximas semanas e daqui a dois, três meses, é uma concorrência maior dos dois produtos na bomba, e isso pode levar a uma queda de preço ao consumidor”, completa.

Murilo Genari Barco, da Valêncio Consultoria Combustíveis, também reforça que o preço do etanol depende, em parte, do valor da gasolina. “Com a queda da gasolina, a tendência é que o preço do etanol caia um pouquinho nas usinas, para manter aquela paridade entre eles. Porém, se a demanda por ele aumentar muito, o caminho do etanol pode seguir o sentido contrário, de uma alta. Acho difícil, neste momento, até porque estamos em plena safra da cana de açúcar e temos estoque suficiente para suprir a nossa demanda neste período do ano”, finaliza.

Fonte/Link: https://news.valencioconsultoria.com.br/o-que-esperar-do-preco-dos-combustiveis-com-impostos-de-volta-e-fim-do-ppi/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=o-que-esperar-do-preco-dos-combustiveis-com-impostos-de-volta-e-fim-do-ppi&utm_term=07+05+2023

________________________________________________________________________________________________________________

CARBOROIL SOLUÇÕES EM ABASTECIMENTO

ENTREGA 24 HORAS

DIESEL PARA GERADORES

DIESEL PARA PARA FROTAS

DIESEL PARA HOSPITAIS

DIESEL PARA OBRAS E CONSTRUCOES

DIESEL PARA INDUSTRIAS

DIESEL PARA EQUIPAMENTOS E MAQUINAS

DIESEL PARA ESCOLAS

DIESEL PARA FEIRAS

DIESEL PARA EVENTOS

DIESEL PARA SHOPPINGS

DIESEL PARA DATA CENTERS

DIESEL PARA TV E RADIO

DIESEL PARA CONDOMINIOS

DIESEL PARA CASAS

DIESEL PARA BANCOS

LIMPEZA DE TANQUES DE GERADOR

LIMPEZA DE TANQUES DE COMBUSTIVEL

LIMPEZA DE TANQUES

DRENAGEM DE TANQUES DE GERADOR

DRENAGEM DE TANQUES DE COMBUSTIVEL

DRENAGEM DE TANQUES

https://www.youtube.com/channel/UCuqND4Wtay_-N1uL_Mw_SKA

Usamos cookies para garantir que oferecemos a melhor experiência em nosso site. Ao continuar a usar este site, assumiremos que concorda com nossa Política de Privacidade.